quinta-feira, abril 18, 2024
Política

Mesa diretora: 2021 promete nova composição

Eleições acontecerão no dia 15 de dezembro de 2020. Posse dos novos membros acontecerá em 1º de janeiro de 2021. Emenda à Lei Orgânica autoriza reeleição na Casa dentro do mesmo mandato. Rafael Prudente, Julia Lucy, Reginaldo Veras e Eduardo Pedrosa são cotados para cargo.

A Mesa Diretora da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) é responsável pela direção dos trabalhos legislativos e dos serviços administrativos da Casa. Compõe-se de presidente, vice-presidente, primeiro secretário, segundo secretário e terceiro secretário, bem como de três suplentes de secretário. E para o ano de 2021, espera-se que haja renovação na composição da mesa diretora da CLDF. Alguns deputados já começaram a se movimentar. De acordo com as normas internas, a de eleição ocorrerá no dia 15 de dezembro deste ano.
De acordo com documento da CLDF a eleição dos componentes da Mesa se dá da seguinte forma: “A direção dos trabalhos caberá à Mesa que conduziu a sessão preparatória da posse dos Deputados Distritais. Após aberta a sessão, será verificado o quórum, devendo ser suspensa por meia hora, se não estiver presente a maioria absoluta dos membros da Câmara Legislativa, repetindo-se a suspensão por igual período, se persistir a falta de quórum. Quando houver presente a maioria absoluta, será declarada aberta a sessão de eleição da Mesa Diretora a partir daí o registro de candidaturas será feito junto à Mesa até sessenta minutos após a abertura da sessão”.
Para a escolha dos membros da Mesa haverá um novo ponto que pode deixar a composição como está, ou provocar poucas alterações. Isso porque em novembro de 2019 parlamentares da Casa aprovaram, em segundo turno, proposta de emenda à Lei Orgânica do Distrito Federal que permite que a Mesa Diretora da Câmara Legislativa seja reeleita em um mesmo mandato.
Na época o governador Ibaneis Rocha (MDB) não ajudou, mas também não interferiu na aprovação da emenda sobre reeleição, como agiram outros governadores no passado. Fontes ouvidas apontam que ele preferiu a isenção por ter Rafael Prudente (MDB) como aliado, parte de sua base governista e a interferência poderia atrapalhar.
Este ano a eleição para composição da Mesa promete ser um pouco mais acirrada. Durante toda a semana o DF Notícias acompanhou os bastidores políticos para entender como tem se dado o processo.

Possíveis candidatos

Sobre a eleição da Presidência e da Mesa Diretora da Câmara o deputado Reginaldo Veras (PDT) comentou em sua rede social: “Adoro uma disputa democrática”. Ele não nega, mas também não confirma seu nome. Uma possível eleição de Veras poderia representar a independência da Câmara, já que ele é considerado oposição. No pleito de 2018 lançou sua candidatura sem amarras com candidatos.
Outro nome que tem ganhado força diariamente é da jovem deputada Julia Lucy (Novo). O DFN ouviu fontes que atuam na CLDF e que afirmaram que “ela já está se articulando, tem realizado reuniões, debates, mas ainda não bateu o martelo, ainda não está definido. Mas ela tem vontade, tem projetos de peso e tem intenção de crescer politicamente dentro da CLDF”, aponta. A redação procurou a deputada, mas por meio de sua assessoria obtivemos a reposta de que “não há nada de concreto até o momento”.
O deputado Eduardo Pedrosa (PTC) também foi procurado para se posicionar quanto ao assunto. Há grandes indícios de que ele poderá ser candidato a vice-presidente da Casa. O jovem tem sangue político correndo em suas veias, é sobrinho de Eliana Pedrosa, nome com grande influência nos bastidores da política local. Mas além disso, Pedrosa – o sobrinho – tem ganhado espaço na Casa. Mesmo estreando na CLDF, Eduardo Pedrosa é presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo, uma das mais importantes da Câmara Distrital.
Rafael Prudente (MDB), atual presidente, já tem sua reeleição como certa. Ele também tem se articulado para fechar apoio em torno desse projeto. Há quem diga que o deputado visa a Câmara Federal em 2022.
Prudente é apontado como um negociador político. Ele atua com facilidade dentro da Casa, prova disso foi sua articulação em relação ao projeto de emenda à Lei Orgânica que permite a reeleição de membros da Mesa Diretora dentro de uma mesma legislatura, embora tenha se abstido do voto. Todos os presidentes da Casa tentaram sem sucesso aprovar a medida.
A atual secretária de Esportes, Celina Leão (PP-DF) também tentou o feito quando era deputada distrital. O ex-deputado Alírio Neto também chegou perto, mas não conseguiu. Benício Tavares e Gim Argello considerados articuladores natos também não conseguiram.