sábado, abril 13, 2024
Cidades

Regiões equipadas com novas lixeiras

Foto: DFN

Desde novembro, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) tem instalado novas equipamentos em diversos pontos do DF. Serão mais 1.554 unidades, contemplando, desta vez, parques, áreas verdes e praças

Moradores do Distrito Federal reclamavam até há pouco tempo da falta de lixeiras nas ruas centrais das cidades. Segundo eles, isso resultava em muita sujeira espalhada nas ruas, praças e canteiros ornamentais. Sem os dispositivos de coleta, muitas pessoas guardam o lixo até encontrar um local adequado para descarte. Por outro lado, sempre há quem ignore a civilidade e jogue lixo nas vias públicas. Para reverter a situação, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) iniciou a segunda etapa da instalação de lixeiras no DF. Serão mais 1.554 unidades, contemplando, desta vez, parques, áreas verdes e praças.
Na primeira etapa, foram instaladas 5.415 lixeiras próximas a equipamentos públicos, paradas de ônibus e unidades de saúde, mas 89 delas já foram vandalizadas. No Deck Sul, lixeiras que já existiam no local foram depredadas neste fim de semana. O SLU, no entanto, já tomou providências e instalou mais 18 equipamentos no parque.
Discretas e práticas, elas já começam a fazer parte do mobiliário urbano do DF. Desde novembro de 2020, o SLU tem instalado novas lixeiras em diversos pontos do DF. No total, a companhia pretende instalar 21 mil papeleiras nas 33 regiões administrativas. Cada papeleira tem 74,5 cm de altura, 42,5 cm de largura e 32 cm de profundidade, com abertura de 31 cm x 9,5 cm para descarte de objetos pequenos.
O cronograma de instalação ficou dividido entre as empresas Sustentare, Valor Ambiental e Suma Brasil, que possuem contratos de limpeza no DF.
Natalia Paiva, moradora de Samambaia Sul, presenciou a instalação das papeleiras na praça central da quadra onde mora e aprovou a medida. “Achei muito bacana, estávamos precisando mesmo desses coletores. O governo ganhou ponto positivo com isso. Nossa comunidade é muito envolvida com a organização da praça e era algo que faltava para deixar o ambiente mais agradável. Agora, eu acho que as pessoas precisam ter mais consciência e não jogar lixo no chão, educar os filhos que convivem na pracinha para que saibam que eles têm um equipamento novo e que precisa ser preservado. Já os vândalos também precisam ter consciência e não arrancar o item”, afirma a profissional autônoma.
Pelas ruas da Samambaia era comum encontrar lixo espalhado por todos os cantos, até mesmo nos bancos das praças. Para tentar amenizar a situação, moradores instalaram baldes de grande porte como lixeiras provisórias. É o caso de José Marques, conhecido como prefeito da quadra QR 308, da região administrativa. Ele comprou, com dinheiro próprio, diversos recipientes para que a população fizesse pequenos descartes. Mas o que houve foi o furto de todos os tambores utilizados como lixeira. “Precisamos ficar atentos para que vândalos não levem ou arranquem as lixeiras. É algo positivo para a comunidade e as pessoas precisam ficar atentas a isso, que é uma benfeitoria. Precisamos cuidar do que é nosso. Isso é imposto revertido em benefício da população”, aponta.
A satisfação não se resume somente à população, principal beneficiada com os novos equipamentos. “É uma grande responsabilidade ser o órgão de limpeza pública da capital do país. A população do Distrito Federal aguardava a instalação dessas lixeiras há anos, então o nosso sentimento é de satisfação e de dever cumprido por trazer esse benefício para a nossa cidade”, resume o SLU.
Queremos que a população tenha mais cuidado e carinho com as lixeiras, pois trata-se de investimento com o dinheiro do cidadão”, diz Silvio de Morais, diretor-presidente do SLU.

Mutirão de limpeza

A praça em Samambaia beneficiada nesta segunda (22) passou por um trabalho voluntário no último final de semana. Os moradores realizaram a pintura de meios-fios, retirada de entulho e plantio de mudas. Antes disso o SLU havia feito o corte da grama e recorte do canteiro. A população cobra mais iluminação no local. “A praça tem ficado bem bonita, mas o que precisamos com urgência são lâmpadas nos postes que ficam próximos às residências. São três no total. Isso vai dar mais segurança e inibir a ação de criminosos. A intenção é que a Administração interfira junto a CEB nos próximos dias”, aponta José de Moura, morador do local.
A Administração Regional de Samambaia aponta que não há ainda um pedido formal para a instalação e que isso é competência da CEB. A redação procurou a CEB para saber sobre a instalação, mas até o fechamento desta edição não obteve retorno.