quinta-feira, abril 18, 2024
Desta semanaEducação

Retrocesso na educação básica

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Tanto nas séries iniciais quanto no Ensino Médio, taxas de escolarização estão abaixo da meta

Desde 2016, o índice de alunos de 6 a 14 anos matriculados no ensino fundamental não havia ficado abaixo da meta prevista. No entanto, os dados mais recentes mostram que o país não conseguiu manter esse patamar. Em 2023, 94,6% dos estudantes dessa faixa etária estavam na escola na etapa correta para a idade. Isso significa que, seja por evasão, abandono escolar durante um período ou reprovação, alunos estão atrasados, ainda na pré-escola (caso de 4,8% do total de brasileiros de 6 a 14 anos) ou fora das instituições de ensino (0,4%).

Os microdados da Pnad mostram que, em 2019, 11% das crianças de 6 anos (que, pela idade, deveriam estar no ensino fundamental) ainda estudavam na pré-escola. Em 2023, o índice saltou para 29%.

Com relação ao Ensino Médio, a frequência escolar de jovens entre 15 e 17 anos apresentou uma queda em 2023, sendo a primeira vez desde 2016, de acordo com dados do Ministério da Educação. A taxa caiu para 91,9%, abaixo dos 92,2% de 2022. Paralelamente, o percentual de jovens nessa faixa etária matriculados no ensino médio também diminuiu para 75%, abaixo dos 75,2% do ano anterior e aquém das metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Educação.

Cerca de 9 milhões de jovens entre 14 e 29 anos não concluíram o ensino médio, seja por abandono ou nunca terem frequentado. Os motivos para o abandono escolar variam entre os gêneros, com destaque para a necessidade de trabalhar entre os homens e a gravidez entre as mulheres.

Especialistas apontam que esses dados refletem a necessidade urgente de políticas públicas eficazes para garantir o acesso e a permanência de crianças e jovens na escola. O desafio é grande, mas é fundamental investir na educação para construir um futuro mais promissor para o Brasil.