quinta-feira, abril 18, 2024
Desta semanaSaúde

Alimentos naturais auxiliam na prevenção do Alzheimer

Foto: Divulgação

Pesquisas sugerem a dieta nutricional cetogênica como aliada na prevenção e tratamento da doença

Estima-se que, atualmente no Brasil, existam 1,2 milhão de pessoas com a Doença de Alzheimer (DA). As vítimas costumam ter acima de 65 anos de idade e, em sua maioria, são mulheres. A doença, cuja principal característica é a perda progressiva de memória (decorrente da degeneração de células cerebrais), merece muita atenção. E é por isso que o dia 21 de setembro é a data escolhida para reforçar a necessidade de conscientização da sociedade. Além disso, há estudos que sugerem a estratégia nutricional como uma grande aliada tanto na prevenção quanto no tratamento a longo prazo.

O tratamento da DA é baseado principalmente em critérios clínicos, além de atividades que trabalhem a função intelectual e, usualmente, a memória. No entanto, de acordo com a nutricionista do Oba Hortifruti, Renata Guirau, existem diversas pesquisas que sugerem a dieta nutricional cetogênica como aliada na prevenção e tratamento do Alzheimer. Esta estratégia se dá, basicamente, por um maior consumo de gorduras boas e proteínas, em detrimento a uma menor proporção de carboidratos, principalmente os refinados, como açúcares e farinhas.

Um estudo recente elaborado pela Pubmed revelou que a dieta do mediterrâneo, um regime que consiste no consumo abundante de vegetais, peixes, oleaginosas, laticínios e grãos integrais, também funciona como uma medida interessante para a prevenção e auxílio ao tratamento da doença. Segundo Renata, essa mudança na alimentação proporciona benefícios para o corpo todo. “O que é consenso na literatura científica é que um padrão alimentar com o mínimo possível de alimentos processados e rico em alimentos naturais favorece a saúde do cérebro e ajuda na prevenção da demência. O principal mecanismo envolvido nesta proteção é a ação antioxidante desse tipo de estratégia nutricional”, afirma a especialista.

Vale dar destaque também às castanhas. Alimento saboroso e rico em nutrientes que colaboram para a saúde do nosso cérebro, estas oleaginosas contém proteínas que protegem as membranas das células, além de conterem selênio e zinco, que atuam pela forte ação antioxidante; e como bônus, possuem fibras que ajudam na saúde intestinal.

Portanto, é importante enfatizar que o intestino funciona como o segundo cérebro do nosso corpo. Como mostra um estudo publicado no ano de 2021, pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos (NLM), as bactérias que habitam nosso intestino têm interação com todos os nossos órgãos, o que inclui todo o sistema nervoso central. O metabolismo dessas bactérias pode gerar fatores pró-inflamatórios e alteração na produção de neurotransmissores. Com isso, fica claro que a saúde do intestino afeta todo o nosso sistema nervoso e há evidências sólidas de que ele colabora no combate de uma série de enfermidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *