quinta-feira, abril 18, 2024
Economia

Queda leve no número de endividados

A Fecomércio-DF divulgou esta semana a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), que aponta uma leve queda no registro de famílias endividadas no DF. De acordo com o levantamento o número de famílias com algum tipo de dívida na capital do País passou de 626.419 em agosto para 608.359 em setembro. Isso significa que 60,4% das famílias brasilienses estão endividadas, ante 62,3% em agosto. Já em comparação ao ano passado a taxa de endividados era de 80,3%. Porém, o montante de contas em atraso registrou aumento: passou de 146.112 mil famílias para 157.352.
Para o presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, a pandemia foi a responsável pelo freio do consumo dos brasilienses. Segundo ele, o índice de endividamento está muito abaixo do que foi registrado no ano passado. “É uma diferença grande em relação a 2019. Isso denota que a crise afetou o poder de compra e do uso do cartão de crédito: o principal instrumento de dívidas na capital do País. Por outro lado, se formos olhar pela comparação mensal, a queda no endividamento está sendo menos intensa, o que pode demonstrar que as pessoas estão voltando a usar o crédito, um reaquecimento no varejo, após meses de portas fechadas”, diz Maia.
Dados da pesquisa ainda mostram ainda que 9,4% dos entrevistados estão muito endividados nas modalidades: cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimo pessoal, prestações de carro e seguros. Já 18,2% estão mais ou menos endividados; 32,8% pouco endividados; 38,7% não tem dívidas que envolvem essas modalidades. O principal instrumento do endividamento da população da capital do País continua sendo o cartão de crédito: 69,6%, seguido por financiamento de carro (19,4%) e financiamento de casa (18,2%). Dentre os endividados, 49,3% disseram estar comprometidos com dívidas por mais de um ano.