quarta-feira, julho 24, 2024
Desta semanaEducação

Rede pública está preparada, diz educação

Foto: Álvaro Henrique – Ascom SEEDF

Secretaria de Educação afirmou ao DF Notícias estar pronta para a retomada das aulas presenciais na rede pública. E aponta que Plano de Vacinação será executado até que todos os profissionais da rede pública e privada estejam imunizados contra a covid-19

No início do mês de maio, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, havia dito que pretendia retomar as aulas presenciais dos mais de 460 mil alunos das escolas públicas entre junho e julho deste ano. Os estudantes seguem em aulas remotas desde o início da pandemia da covid-19.
O DF Notícias entrou em contato com Secretária de Educação para confirmar a volta às aulas presenciais e saber qual será o protocolo adotado pelas instituições públicas, visto que retomada envolve setores como Executivo, sindicatos representativos, comunidade escolar e especialistas.
À redação, a Secretária de Educação disse que “a rede pública do Distrito Federal está preparada para o retorno presencial, que ocorrerá após a vacinação dos professores, demais servidores e funcionários terceirizados que atuam nas escolas. Além disto, conforme já anunciado em diversas ocasiões pela Secretaria de Educação, o retorno ocorrerá respeitando-se todas as orientações de segurança para o combate à covid-19”.
Ainda segundo a pasta, “O Plano de Vacinação dos Profissionais de Educação do Distrito Federal teve início em 21 de maio e será executado diariamente até que todos os profissionais da rede pública de ensino e os professores das escolas privadas estejam imunizados contra a covid-19. A vacinação se desenvolverá por etapas, a partir da educação infantil, ensino fundamental anos iniciais, ensino fundamental anos finais, ensino médio e, por fim, ensino superior”.
E segue: “Por estarem em trabalho presencial permanentemente desde o início da pandemia, os grupos gestores das escolas públicas serão todos vacinados na primeira etapa do plano”, aponta o Órgão.
A diretora do Sinpro-DF, em matéria publicada no site da instituição, explica que a preocupação maior é a defesa da vida. Segundo ela, mais de meio milhão de pessoas transitariam no espaço escola-cidade. Ou seja, não são somente os alunos que correriam riscos, ou os professores. Mas pais, ou quem transporta as crianças e adolescentes, aqueles que limpam as escolas e os que fazem e servem a comida para os estudantes.
Natalia Paiva, mãe de duas alunas da rede pública acredita que a retomada deve ser realizada após a vacinação. “Sabemos que é muito importante esse retorno para que nossas crianças possam conviver, mesmo com distanciamento. Percebo que as minhas filhas estão com mais dificuldade de aprendizagem e socialização com as aulas on-line. Mas eu também tenho consciência dos riscos para elas e para os professores se a retomada acontecer sem vacinação. Acho que o governo vai trabalhar para que a retomada presencial aconteça este ano. Estamos torcendo para isso”, disse.
A enfermeira Ericka Lima disse que “eu tenho filhos pequenos e ainda não pretendo retornar às aulas presenciais. Acredito que um cuidado importante a ser tomado e verificado é evitar que alunos e professores do grupo de risco, ou que moram com pessoas do grupo de risco, frequentem a escola de forma presencial. O perigo para eles é maior do que para os demais. Nesses casos acredito que haverá uma possibilidade de aula remota, ou envio de tarefas, sem necessidade de participação física na escola. O ensino híbrido, nesse contexto, apresenta-se como a melhor saída. Será mais seguro”.

Vacinação

A imunização dos profissionais da educação completou a primeira semana no dia 28 de maio. O governo avalia como um “sucesso” e aponta que “foram cinco mil educadores imunizados — todos os diretores das 689 escolas públicas e mais os profissionais de 172 creches públicas e privadas. Agora, chegou a vez dos vice-diretores de escolas públicas, que já estão sendo convocados. Além deles, a próxima lista de convocação continua chamando o pessoal das creches”.
O secretário de Educação, Leandro Cruz, tem visitado a UBS diariamente, vendo de perto o andamento dos trabalhos e conversado com os profissionais. Ele comemorou o êxito da primeira semana. “Muita ansiedade, muita luta e muito trabalho duro. Contamos com a parceria do Governo do Distrito Federal – da Secretaria de Saúde, da Casa Civil, do governador Ibaneis Rocha. Assim, conseguimos chegar nesse dia. Sexta-feira passada, começamos a nossa vacinação dominando aquela ansiedade do início e, agora, você vê uma grande festa. A vacinação dos profissionais da educação dá uma grande aula de organização e alegria. Vacina é vida, vacina é ciência. Educação sempre em defesa da vida”, afirmou.