quarta-feira, julho 24, 2024
CidadesDesta semana

Brasília é forte candidata para sediar Web Summit

Comitiva liderada pelo CEO e cofundador da empresa, Paddy Cosgrave, desembarca no DF no próximo dia 19 de novembro

A Web Summit é uma das maiores conferências de tecnologia e informação do planeta. Criada em 2009 por Paddy Cosgrave, David Kelly e Daire Hickey a empresa realiza os eventos anuais com tema centrado na tecnologia da internet. Os participantes vão desde empresas da Fortune 500 até às pequenas empresas de tecnologia. Nomes como Apple, Amazon, Microsoft, Google, Facebook, Rappi, Spotify, TikTok, Quinto Andar estão no evento.

A conferência tem uma mistura de CEOs e fundadores de start-ups tecnológicas em conjunto com uma série de pessoas da indústria de tecnologia global.

Durante os cinco primeiros anos, o evento foi realizado em Dublin, Irlanda. Porém, em setembro de 2015 Paddy Cosgrave, co-fundador e CEO da Web Summit, anunciou que o evento seria realizado pela primeira vez em Lisboa em 2016. Agora, Brasília busca sua chance de sediar a conferência que pode mudar a capital do país.

A missão de colocar o Distrito Federal na disputa para sediar do Web Summit na América Latina ficou a cargo do governador Ibaneis Rocha, que participou do evento realizado esta semana em Lisboa, Portugal. Rio de Janeiro e Porto Alegre também buscam a oportunidade de receber o evento por cinco anos, a partir de 2023.

A oficialização da intenção de trazer a conferência para o DF foi feita por meio da assinatura de carta de intenção pelo GDF e entregue durante o evento. O documento inclui um investimento ordem de € 5 milhões (R$ 32,8 milhões) e a garantia de infraestrutura. Além disso, representantes do governo de Brasília se reuniram na quarta-feira (3) com os representantes do Web Summit.

Durante sua participação na conferência o governador, Ibaneis Rocha, declarou que “a nossa visita não tem o propósito de apenas trazer uma conferência dessa magnitude para Brasília – o que já seria muita coisa -, mas também apresentar todo o potencial do nosso parque tecnológico, gerando investimentos de grande porte em nossas fábricas da Biotic”, afirmou.

Brasília conta com pontos bastante favoráveis que tornam a capital do país uma forte candidata para a realização do Web Summit na América Latina. A rede hoteleira é centralizada e conta com acomodações de quatro e cinco estrelas, há segurança qualificada e o hub aeroportuário permite a conexão de Brasília com todas as capitais do país e também com vários destinos internacionais. Além disso, as condições logísticas e de mobilidade também são favoráveis para a realização de eventos dessa extensão.

“Entendo que o DF tem todas as condições de receber o evento pela própria situação que nós temos. Temos um dos maiores aeroportos do país, os hotéis todos concentrados num raio de até cinco quilômetros do Centro de Convenções”, afirma o governador.

Outro ponto muito trabalhado pela comitiva brasiliense no Web Summit foi o BioTIC (Parque Tecnológico de Brasília). O evento foi uma oportunidade para o governador apresentar o projeto para investidores de várias partes do mundo.

O principal foco do parque será a inovação na biotecnologia e tecnologia da informação e comunicação. O polo será o principal em desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do DF. De acordo com o governo, o projeto viabilizará a instalação de diversas empresas, além de instituições de pesquisa e centros de inovação. Para essa finalidade, estão disponíveis 95,9 hectares de propriedade da Terracap, com possibilidade de expansão, na Granja do Torto.

Visita

Em 19 de novembro os organizadores do Web Summit desembarcam em Brasília para avaliar as condições aeroportuária, hoteleira, de mobilidade e logística locais para receber o evento a partir de 2023.

Durante encontro com a comitiva do DF, na quarta-feira (3), o CEO e cofundador da Web Summit, Paddy Cosgrave, declarou-se admirador da arquitetura de Oscar Niemeyer e do projeto urbanístico de Lúcio Costa, estudados nas aulas de geografia. Paddy se disse curioso para conhecer a capital e sentir “a vibração e o calor humano” do brasiliense.

Economia

A conferência este ano reuniu cerca de 40 mil pessoas entre palestrantes, especialistas e investidores. O evento transformou Portugal por conta do grande impacto econômico, por isso se tornou sucesso mundial. O Web Summit supera os eventos musicais e desportivos.

Segundo informações divulgadas pelo governo de Brasília, em 2017, o governo português estimou um movimento anual superior a € 300 milhões (o equivalente a R$ 1,977 bilhão). Muitos parceiros da conferência, inclusive, decidiram estabelecer operações no país, como a Google, BMW, Amazon, Mercedes, Pipedrive, Cloudflare e Revolut. Já o turismo movimentou mais de € 200 milhões (cerca de R$ 1,318 bilhão) entre voos, compras, alimentação, passeios e acomodações durante a semana da feira.

“A Web Summit virou a chave para o desenvolvimento econômico de Portugal e pode fazer o mesmo por aqui”, acredita a diretora técnica do Sebrae-DF e secretária executiva do Conselho Permanente de Políticas Públicas e Gestão Governamental do DF, Rose Rainha, que também participou do evento. “Além de fomentar a economia, um evento desse porte nos dá visibilidade para que muitas empresas reconheçam o potencial da nossa capital e invistam aqui, gerando emprego e, consequentemente, mais renda”, reforça o governador Ibaneis.

Foto: Reprodução /Agência Brasília