terça-feira, abril 23, 2024
CidadesDesta semana

BRT pode chegar à 21 regiões do DF

Foto: Lúcio Bernardo Jr. – Agência Brasília

GDF aponta que existem projetos em andamento que podem atender desde usuários de Planaltina a passageiros do Park Way. Taguatinga e Ceilândia estão com projeto em obras.

Que o BRT (Bus Rapid Transit) é uma facilidade, mais seguro e rápido, todo mundo sabe. Mas o que muita gente desconhece é que, se todas as obras e projetos forem entregues, pelo menos 21 regiões do DF serão beneficiadas com o sistema de transporte. Existem diversas propostas que visam ampliar o serviço e trazer agilidade para o cotidiano das pessoas que precisam se deslocar pelas regiões administrativas. O DF Notícias procurou saber como está o andamento dos projetos em todas as regiões.

De acordo com a Semob (Secretaria de Transporte e Mobilidade), existe o projeto executivo do BRT Norte, que compreende a ligação das regiões administrativas de Planaltina e de Sobradinho até Brasília. Ligando Samambaia, Recanto das Emas, Riacho Fundo 1 e 2, passando pelo Núcleo Bandeirante, até Brasília há o BRT Sudoeste. Existe ainda o BRT Oeste, que liga as regiões administrativas do Sol Nascente, Ceilândia, Taguatinga, passando pela EPTG, Vicente Pires, Águas Claras, Guará e Vias ESPM e EPIG até o Terminal da Asa Sul e a Rodoviária do Plano Piloto. Por fim, está em fase de atualização de projeto os Trechos 3 e 4, do BRT Sul, ligando a Estação do Park Way até o Terminal da Asa Sul.

“Há projetos para BRT em Taguatinga e Ceilândia, visto que as principais vias destas cidades estão em obras (Túnel de Taguatinga e Avenida Hélio Prates), que é o BRT Oeste. Já estão em execução as obras do túnel de Taguatinga e de um trecho de urbanismo, calçadas e estacionamentos na Avenida Hélio Prates”, aponta a pasta.

São vários os benefícios do BRT, principalmente em épocas de combustíveis caros. O especialista em mobilidade e transporte, Acácio Rodrigues, aponta que “o meio de transporte público é bastante utilizado pelos passageiros no Distrito Federal, dentre as opções disponíveis. O BRT possui vantagens em relação as demais opções. Ele é mais rápido, polui menos do que o esperado e é mais seguro quando comparado com o ônibus convencional. Há poucas desvantagens quando comparado com os outros coletivos. Acredito que a maior dificuldade é o tempo de implementação, que é mais longo”, afirma.

Luana Soares, auxiliar técnica, mora em Santa Maria e conta que opta pelo serviço sempre que pode. “Com a alta do combustível ficou praticamente impossível ir e voltar do trabalho de carro todos os dias. Em casa optamos pelo uso do BRT. É rápido, mais em conta e me sinto segura porque não fica parando em todos os pontos de ônibus. É uma facilidade. Esperamos que o governo possa levar isso a todas as cidades o quanto antes. Investir no transporte é muito importante”, avalia.

O Ibram (Instituto Brasília Ambiental) e o DER (Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal) chamaram a população para uma audiência pública. Na ocasião foram apresentados e discutidos o Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) referente à implantação de BRT no Corredor Eixo Sudoeste composto pelas rodovias DF-001 (EPCT), trecho entre a BR-060 e a VC-331, DF-075 (EPNB) e DF-003 (Epia).

Atualização no BRT Sul

Na última semana, a Semob autorizou mais 26 linhas de ônibus a trafegarem pela faixa exclusiva do BRT Sul. Os coletivos são da UTB (União Transporte Brasília). Até então, 54 coletivos da empresa já trafegavam pela via.

Com essa mudança, os passageiros de ônibus dos municípios goianos de Valparaíso, Cidade Ocidental, Novo Gama, Céu Azul e Pedregal que se deslocam diariamente para o Distrito Federal passam a contar com viagens mais rápidas, segundo a Semob.

“A operação dos ônibus dos municípios do Entorno no corredor exclusivo do BRT Sul é implantada após realização de estudos de capacidade da via, onde não existem cruzamentos, semáforos e interferências dos demais veículos, permitindo uma maior circulação dos coletivos”, informou a secretaria, em nota.

Além disso, a Semob afirmou que o tráfego dessas linhas não sobrecarrega as estações do BRT, uma vez que esses veículos trafegam pelo corredor exclusivo apenas como via expressa por não serem dotados de portas de ambos os lados.

O que é o BRT?

“O BRT (Bus Rapid Transit) é um sistema de transporte público coletivo em que os ônibus transitam por faixas exclusivas para garantir priorização e operação rápida. Para ser considerado um BRT, o sistema de transporte público de ônibus deve ter os seguintes elementos: faixa de rodagem exclusiva (corredor de ônibus), alinhamento no centro da via (para evitar atrasos típicos do lado do meio-fio); estações com cobrança de tarifa fora do veículo (para reduzir o atraso do embarque e desembarque relacionado com o pagamento ao cobrador) e estações com o nível do piso do ônibus (para reduzir o atraso do embarque e desembarque causado por escadas)”, aponta a Semob em nota.

No Distrito Federal, está em operação desde 2014, o BRT Sul. Com 43 km, sendo 35 km em faixas exclusivas, liga de maneira expressa as regiões administrativas de Santa Maria e do Gama ao Plano Piloto.

Andamento dos processos

BRT Norte: Fase de captação de recursos. Projeto executivo concluído.

BRT Sudoeste: Elaboração e finalização de projeto executivo.

BRT Oeste: Obras em execução do túnel de Taguatinga e de um trecho de urbanismo, calçadas e estacionamentos na Avenida Hélio Prates. Também já está licitado e com início de obras viaduto na EPIG e RDCI.

BRT SUL: Atualização e ajustes no projeto executivo dos trechos 3 e 4 por parte da Semob.