quinta-feira, abril 18, 2024
Desta semanaEconomia

Como gastar o 13º salário

Especialistas sugerem empregar recursos em pagamento de dívidaspreparação para as contas de início de ano e até investimentos

Nesta quinta-feira, 30 de novembro, é o prazo final para que empregadores façam o pagamento da primeira parcela do 13º salário para seus trabalhadores. Muitas pessoas aguardam esse recurso para executar uma série de planejamentos, mas quais são as melhores escolhas para empregar esse dinheiro?

Os planejamentos vão desde o pagamento de dívidas até compra de itens para casa, vestuário, viagens e lazer, entre outras coisas. Para este momento especialistas dão dicas de como empregar melhor essa parcela financeira a qual os trabalhadores têm direito.

Para a contabilista, Helen Cristina, o 13º será destinado para pagar empréstimo. “Vou aproveitar esse dinheiro para pagar empréstimo bancário que tive que fazer para honrar as custas iniciais do meu processo de compra de imóvel. Depois disso, ficarei apenas com as prestações mensais do apartamento, o que vai me trazer um alívio”, conta a trabalhadora.

Para João Bertelli, planejador financeiro, a primeira parcela do 13º salário pode ser uma oportunidade para organizar as finanças, fazer investimentos ou realizar projetos pessoais. “A melhor forma de utilizar esse recurso vai depender da realidade e momento financeiro de cada um. O trabalhador pode pagar dívidas, antecipar parcelas de financiamentos, criar ou reforçar sua reserva de emergência, fazer investimentos de médio ou longo prazo ou então realizar algum projeto pessoal como uma viagem de final de ano”, explica.

Segundo o especialista, para quem tem dívidas, a recomendação é, primeiro, focar em quitá-las para depois investir. “Isso porque o retorno de um investimento dificilmente vai ser maior do que os juros de um empréstimo ou financiamento, que costumam ser altos. Os efeitos dos juros compostos em dívidas podem ser perversos no longo prazo, então o recomendável é evitar essa força contra o bolso”, explica Bertelli. Ele também recomenda que as dívidas do cartão de crédito e cheque especial devem ser priorizadas no momento da quitação, já que costumam ter os juros mais altos que os outros empréstimos.

Andre Sandri, educador financeiro, pontua que o dinheirinho do décimo terceiro pode ser excelente para se preparar para as contas de janeiro como o IPVA, o IPTU e gastos escolares. “São gastos certos e, se você se planejar, não vão pegá-lo de surpresa. Reservar parte do 13º para essas despesas trará uma paz de espírito inestimável no começo do ano. Já no final do ano, estabeleça um valor máximo para gastos festivos e presentes, evitando assim surpresas desagradáveis no cartão de crédito”, ressalta.

Caso ainda sobre dinheiro após o emprego do 13º Agora, se depois disso tudo, ainda sobrar um valor, invista! Sandri comenta que, para investir a primeira parcela do 13º salário, o trabalhador tem diversas opções tanto em renda fixa quanto variável. “Para quem é mais conservador e está montando uma reserva de emergência, o ideal é a renda fixa. Dela, podemos citar, o Tesouro Direto que é uma escolha segura, oferecendo títulos como o Tesouro Selic para liquidez ou Tesouro IPCA para proteção contra a inflação. CDBs, especialmente aqueles com rendimentos acima do CDI, também são boas opções para diversificar”, afirma.