quarta-feira, maio 22, 2024
Desta semanaSaúde

Crianças são as mais propícias a ter o quadro mais grave de dengue

Foto: Freepik

Mudança de comportamento, choro insistente e febre podem ser sintomas de que a criança esteja com dengue

Com a significativa elevação nos casos de dengue no Distrito Federal, uma preocupação adicional recai sobre os pais, especialmente quando se trata das crianças. Com um aumento expressivo nos registros da doença entre os dias 1º e 22 deste mês, atingindo 2.383 casos em crianças e adolescentes de até 14 anos, torna-se crucial uma atenção especial a essa faixa etária.

As estatísticas recentes revelam que, dentre os 595 mil habitantes com até 14 anos no DF, as crianças se encontram no grupo mais vulnerável, apresentando maior propensão a desenvolver casos graves de dengue. Quedas abruptas na pressão e hemorragias precisam ser observadas, pois são sintomas que indicam a necessidade urgente de medidas preventivas.

O médico e responsável técnico distrital em pediatria, Fabrício Nunes da Paz, enfatiza que a prevenção é a chave para conter a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue. 

“Além do repelente, a gente indica a instalação de telas mosqueteiras na casa e no quarto das crianças, quando possível”, afirma o pediatra. “Apesar de todas essas dicas para evitar a contração da dengue, a ação mais efetiva e que realmente pode salvar vidas é cuidar da nossa casa para interromper a proliferação do mosquito”, defende o médico.

Sintomas 

Identificar os sintomas é crucial, especialmente em bebês que ainda não conseguem falar sobre seu desconforto. Mudanças de comportamento, choro persistente e febre são indicativos importantes. Fabrício Paz destaca que pais devem estar alertas para sinais como sangramento na gengiva ou no nariz, comportamento mais quieto e introspectivo, sintomas específicos da dengue pediátrica.

Vacinação 

Com a expectativa de iniciar a imunização contra a dengue nas próximas semanas, o Distrito Federal aguarda informações sobre a quantidade de doses disponíveis, conforme informado pela Secretaria de Saúde. O público-alvo inicial são crianças e adolescentes de 10 a 14 anos. O processo visa reforçar a proteção, mas é crucial que medidas preventivas sejam mantidas enquanto a vacinação ocorre.

Em meio a esse cenário desafiador, a comunidade do Distrito Federal é chamada a redobrar os cuidados, especialmente com os pequenos. A prevenção, aliada à atenção aos sintomas e ações coordenadas das autoridades de saúde, emerge como a estratégia mais eficaz para conter a disseminação da dengue e proteger a saúde das crianças. A vacinação, quando disponível, se tornará uma ferramenta adicional na defesa contra esta ameaça crescente.