quinta-feira, abril 18, 2024
Educação

Escolas particulares perdem um terço de matrículas

Estimativa é que 2,7 milhões de alunos tenham deixado as instituições particulares em todo país

Entre os vários setores prejudicados com a pandemia de covid-19, a educação apresenta perdas significativas. De acordo com pesquisa produzida pelo Grupo Rabbit, e divulgada pelo governo federal, cerca de um terço das matrículas das escolas particulares do país foram canceladas. Segundo os dados apresentados, as instituições mais afetadas foram as de pequeno e médio porte, com até 180 alunos.
O estudo foi produzido com base nos dados do Censo Escolar de 2018 e a pesquisa feita com mais de 1,2 mil escolas em todo o país entre setembro de 2020 e março deste ano. Com base nos dados apresentados calcula-se que 2,7 milhões de estudantes tenham deixado as escolas particulares, o que representa 34% dos alunos desse seguimento.
A pesquisa aponta que as escolas mais afetadas foram aquelas de pequeno e médio porte, com até 180 alunos, que compõem a maior parte do mercado. Elas chegaram a perder de 38% a 41% de suas matrículas, respectivamente. Já aquelas com mais de 550 alunos foram proporcionalmente menos prejudicadas, conseguindo reter cerca de 80% das matrículas.
A estimativa é que cerca de um terço dos estudantes que deixaram as instituições particulares tenha migrado para escolas públicas. Outros dois terços permanecem sem perspectiva de estudo, sendo a maioria, mais jovem.
“A pandemia foi acachapante para todos setores produtivos”, disse o presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Ademar Batista. “Acredito que houve uma perda de alunos, a crise é grande, as pessoas estão com dificuldade de pagar”.

Recuperação

Embora o número de matrículas na rede particular de ensino tenha despencado do ano passado para cá, o relatório apresenta uma recuperação no setor, mesmo que bem distante do cenário antes da pandemia. Foi registrado um crescimento de 88% na procura por escolas particulares no país.
Mas, de acordo com o relatório da consultoria, agora as escolas mais procuradas por pais e responsáveis são as de pequeno porte, por conta de fatores socioeconômicos que afetaram as famílias fazendo com que precisassem reduzir os gastos também na educação.
O levantamento aponta que enquanto colégios com mais de 500 alunos chegaram a um crescimento de 16%, as escolas com até 150 estudantes tiveram o dobro de crescimento da matrícula desde setembro do ano passado.

Com informações da Agência Brasil