sexta-feira, julho 19, 2024
CidadesDesta semana

Lixo toma conta das ruas do DF

Fotos: DFN e divulgação

Mesmo com os trabalhos de coleta de resíduos cumprindo cronograma, lixo espalhado é flagrado em diversas cidades da capital

O Distrito Federal tem sofrido com o descarte incorreto de lixo. Há reclamações de sujeira em quase todas as regiões administrativas. Moradores contam que falta colaboração da população e campanhas de conscientização, já que os trabalhos do Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU) são feitos de maneira regular e ininterrupta.

Taguatinga é uma das maiores regiões administrativas do Distrito Federal e a população tem enfrentado grandes problemas com o lixo espalhado pelas ruas da cidade. Nesta semana, morador da parte norte da região, Julio Carneiro, flagrou o descarte irregular de resíduos no espaço recém reformado, a Praça do DI.

“Esse espaço que deveria ser um canteiro ao pé de uma palmeira está continuamente ocupado pelo lixo. Essa praça está sendo reformada e para nós é essencial superar esse hábito que depõe contra a civilidade de um coletivo. As pessoas que cometem essa ilegalidade não perceberam que a desvalorização da região está em jogo, além do risco sanitário. Volto a insistir na visita técnica do SLU, do DF legal e da Administração Regional”, diz o morador.

Metros a frente, uma das avenidas mais importantes para Taguatinga também se tornou depósito de lixo. Flagrante foi da equipe de reportagem na manhã da quinta-feira (4). São sacos de lixo abertos com restos de comida expostos, papeis e copos plásticos espalhados ao longo da via.

Para a bióloga e mestre em Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território, Amanda Coelho, “O acúmulo de lixo em locais inadequados traz prejuízos para a população. Além dos pontos óbvios como o mal cheiro e a poluição, esse material causa diversos outros danos. No meio ambiente pode-se citar a proliferação das chamadas ‘pragas urbanas’ como ratos, ratazanas, baratas, mosquitos, pombos e outros animais que podem transmitir doenças aos moradores. Se o lixo estiver em terreno baldio, depositado direto sobre a terra, pode contaminar o solo e lençol freático a depender dos componentes ali deixados. Já nas cidades, estando em calçadas ou ruas asfaltadas, pode contaminar as galerias de águas pluviais, causar acidentes de trânsito e, principalmente, com os pedestres. Para além de tudo que já foi dito, ainda há a péssima imagem que o acúmulo de lixo ocasiona podendo, inclusive, servir de esconderijo para armas, drogas e outras substâncias ilícitas aumentando a criminalidade na região. O lixo deixado em local inapropriado não é apenas um caso de má educação, é questão de bem-estar para a população e quanto antes todos entenderem isso, melhor será”, enfatiza a especialista.

No Guará nem mesmo o ponto de coleta de resíduos recicláveis é respeitado. Registro foi feito por moradora que conta que a coleta do lixo é cumprida conforme cronograma divulgado pelo SLU, mas os próprios moradores desrespeitam o espaço público jogando resíduos em qualquer lugar a qualquer hora do dia.

Punições

Os resíduos depositados em áreas impróprias gastam recursos públicos e causam problemas socioambientais. Diante disso, a Subsecretaria de Fiscalização de Resíduos (Sufir) explica que “os resíduos depositados em áreas nas quais não é permitido vão ser retirados pelo Estado, o que gera um custo muito alto”.

A Sufir lembra que as multas para os sujões são altas. Caso as normas de transporte e descarte de resíduos sejam descumpridas, o responsável pela ação pode ser multado entre R$ 91,68 a R$ 22.927. A Sufir explica que as penalidades são aplicáveis aos subgrupos de pequeno gerador (até 120 litros de lixo) ou grande gerador (resíduos superiores a 120 litros).

É considerado descarte irregular o ato de despejar materiais reutilizáveis ou não em lugares inapropriados, que estejam fora das normas impostas pelo Governo do Distrito Federal (GDF).