sábado, abril 13, 2024
Desta semanaEconomia

Mais de 60 mil empresas abriram no DF

Foto: Gabriel Jabur – Agência Brasília

Dados da Junta Comercial apontam que 62.064 novas empresas foram registradas em Brasília até primeira quinzena de maio de 2021

Mais de oito mil pessoas se viram obrigadas a fecharem suas empresas no Distrito Federal este ano, segundo dados da Junta Comercial, Industrial e Serviços do Distrito Federal (Jucis-DF). A maioria delas não sobreviveu à crise econômica gerada pela pandemia da covid-19. Mas, por outro lado, o DF registrou mais de 62.064 novos cadastros de nogócios. Em 2020, 20.063 empresas encerraram suas atividades.
O número alto de abertura de empresas não é exclusividade do Distrito Federal. De acordo com informações do Ministério da Economia, 3,359 milhões de empresas foram abertas no Brasil no ano passado e 1,044 milhão foram fechadas. Assim, para a pasta “o país registrou um saldo positivo de 2,315 milhões de novos negócios abertos no período. O número de empresas abertas no ano passado foi o maior desde início da série histórica, em 2010”.
Os dados estão no Mapa de Empresas, ferramenta digital do Ministério da Economia para acompanhamento de dados sobre registro empresarial no Brasil.

SIG

Ainda no âmbito do comércio no DF, tem chamado atenção o interesse em ter um negócio regularizado no Setor de Indústrias Gráficas (SIG). De acordo com dados do GDF, pouco mais de um ano da Lei Complementar nº 965/2020 ser sancionada pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), empreendedores tiveram a possibilidade de ampliar a oferta de empresas e serviços no local.
Até maio passado, 1.842 consultas de viabilidade de localização foram feitas por empresas interessadas em se estabelecer na região.
Essa é a primeira etapa da concessão da Licença de Funcionamento de Atividades Econômicas. A medida é necessária para verificar se o tipo de empreendimento é permitido na área pretendida.

Apoio

Em relação ao suporte que tem sido oferecido aos empreendedores, a Secretaria de Empreendedorismo do DF (SEMP) disse ao DF Notícias que, “apesar da pandemia, continua focada em ações que ajudem os empreendedores locais a se reinventarem, com a viabilização de ações que possam ajudar os empreendedores como capacitações gratuitas que abrangem temas relacionados ao próprio negócio em si, atualização de ações para incrementar gestões de marketing, vendas digital, dentre outros”.
A SEMP disse também que “atua junto ao GDF e aos bancos da cidade, realizando encontros e rodas de negócios, que possibilitam renegociação de dívidas, como a semana de acesso ao crédito Simplifica-PJ em Taguatinga. Esse ano, foram iniciadas as atividades do programa Cartão Creche, criado em 2020, que apenas em 2021, passou a ter efetividade. Hoje, o programa já oferta mais de 5 mil vagas em creches para a população. Além de cadastrar mais de 36 novas creches ao programa, trazendo novo respiro para a categoria, tão prejudicada pelas restrições da pandemia”.
“Em parceria com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seagri), a SEMP além das ações que já realiza junto ao Pró-Rural, também, trabalha para desenvolver projetos específicos para os empreendedores rurais, trazendo investimentos e criando atrativos para o empreendedorismo desse setor. A pasta expandiu sua parceria com a Aliança Empreendedora e junto à Seagri e lançou o programa Filhos deste Solo, que conta com 250 vagas voltadas para a capacitação do pequeno empreendedor rural”, apontaram por meio de nota.
“Outra ação recente de sucesso da Secretaria foi a primeira licitação de imóveis do programa Desenvolve-DF, que teve mais 170 empresários interessados nos 53 imóveis disponibilizados pela SEMP e Terracap” disseram.
Além disso a Secretaria apontou que, “neste mês, está acontecendo o Mutirão do Mei, projeto piloto da Secretaria de Empreendedorismo em parceria com o Sebrae, que tem o objetivo de visitar todas as cidades do DF, de forma itinerante, esclarecendo sobre formalização de micro e pequenos empreendedores, para facilitar o acesso a benefícios como linha de crédito bancário, licença maternidade, INSS e outros”.
No primeiro dia do mutirão, em Ceilândia, foram realizados mais de 100 atendimentos.