Abandono com dias contados

Foto: DFN

Um dos parques mais importantes do DF está prestes a deixar a lista de lugares descuidados para entrar no rol das áreas mais relevantes da cidade. Intenção é trazer lazer, esportes e até mesmo turismo para região

O Taguaparque é uma grande área para lazer, comunhão e prática de esportes para moradores de Taguatinga e Vicente Pires, mas que caiu nas graças de moradores de Ceilândia Samambaia, Riacho Fundo, Recanto das Emas, Brazlândia, entre outras regiões administrativas.

O parque recebe diariamente mais de 5 mil frequentadores que buscam suas estruturas para a prática de esportes e lazer. Aos finais de semana, esse número dobra e até mesmo triplica, podendo chegar a quase 20 mil pessoas.

Inaugurado em 6 de junho de 2009, o parque era sonho e demanda antiga dos moradores de Taguatinga e Vicente Pires que viam na área ociosa um lugar para recreação e práticas esportivas mais próximo de suas casas, já que o espaço mais equipado para essas atividades era o Parque da Cidade, no Plano Piloto.  

De lá para cá, foram feitas algumas intervenções, porém, nenhuma delas do tamanho da que está sendo projetada para os 90 hectares de extensão. A Administração de Taguatinga comemora o recebimento de investimentos na ordem de R$ 15 milhões para serem usados, até o próximo ano, na revitalização e instalação de novos espaços e equipamentos no Taguaparque.

Em entrevista exclusiva ao DF Notícias, o engenheiro e chefe da Coordenação de Licenciamento, Obras e Manutenção (COLOM) da Administração Regional de Taguatinga, André Sousa de Araújo, explicou que projeto contempla as principais demandas da população frequentadora do parque e que muitas novidades podem colocar Taguatinga no circuito de eventos esportivos nacionais. Além disso, o coordenador esclarece que o projeto é muito grande e que será executado em etapas.

Uma das reivindicações mais constantes dos usuários do parque é a revitalização da pista de corrida / caminhada que cerca a área. Trechos desnivelados, buracos, e baixa iluminação trazem insegurança aos frequentadores que procuram o espaço para a prática dos esportes. Segundo o engenheiro André, “essas pistas passarão por uma revitalização completa, com pavimentação nova, pintura e sinalização”. E complementa: “Esse projeto de recuperação das pistas está pronto, em fase de levantamento de custos e material. A expectativa é de que até meados de outubro tudo esteja pronto para que o projeto passe para a fase de licitação ou execução”, afirma o especialista.

O coordenador conta, que em paralelo, também pode acontecer a recuperação da ciclovia do Taguaparque, que, em muitos pontos, hoje tem pouca estrutura e muitos problemas. Faltam pavimentação adequada em alguns trechos, sinalização e iluminação.

“A ciclovia do Taguaparque vai ser totalmente revitalizada. Além disso, ela vai interligar as duas pontas do parque com as pistas do projeto cicloviário de Taguatinga, garantindo segurança tanto para quem usa a bike para esporte, quanto para quem a usa como transporte”, afirma o engenheiro.

Foto: Divulgação

Importância nacional

O projeto também traz grandes novidades que podem transformar Taguatinga em um novo polo turístico esportivo do Distrito Federal. Duas propostas do projeto são de grande relevância: a construção de uma pista de motocross, e uma pista de skate – ambas de nível profissional.

Segundo André, “a ideia da pista de motocross é trazer para Taguatinga etapa do circuito brasileiro da categoria que atualmente é disputada do Plano Piloto. A cidade comporta o evento. Temos uma rede hoteleira confortável, além de comércio, restaurantes e a malha viária favorável à realização do campeonato”, enfatiza.

O projeto da pista de motocross está em fase de levantamento e prevê a ocupação de 10 mil m² de área. Além da pista, haverá espaço para os boxes, arquibancada e praça de alimentação.

Outro equipamento previsto no projeto e que também pode colocar Taguatinga no circuito nacional esportivo é a pista profissional de skate. Intenção é implantar projeto equivalente ao que está previsto para o Parque da Cidade. E com isso, também trazer para a região administrativa etapa do circuito nacional da modalidade.

Banheiros novos

A reclamação dos frequentadores quanto aos banheiros também será atendida em breve. De acordo com o coordenador da COLOM, “os banheiros do parque serão reformados e adaptados para pessoas com deficiência. Além disso serão construídos mais dois conjuntos de banheiros, cada um terá um banheiro feminino, um masculino, um feminino para deficientes e um masculino para deficientes. Os projetos estão pronto e verba já disponibilizada”, conta André.

Compromisso e prioridade

Para o administrador de Taguatinga, Bispo Renato Andrade, atender essa grande demanda da comunidade é um compromisso. “Queremos implantar uma variedade de ações de esporte cultura e lazer para que a família de Taguatinga possa se reunir com segurança, praticando seu esporte favorito, ou a cultura, até mesmo um simples piquenique. Queremos um parque de todos para todos”, afirma o administrador.

Quanto a prioridade de execução das etapas do projeto, Bispo Renato explica que o cronograma vai ser definido com a população. “Não fazemos nada sozinhos. Estamos trabalhando com a Secretaria de Esportes e ouvindo os frequentadores do parque. A execução do projeto vai ser por etapa, mas não dentro de nossas prioridades, mas dentro da prioridade de quem frequenta o parque”, conclui o administrador de Taguatinga.

Fotos: DFN / Divulgação