terça-feira, abril 23, 2024
Desta semanaEconomia

Biotic pode atrair Web Summit para o DF

Foto: Tony Winston – Agência Brasília

Desembarcam em Brasília, nesta semana, os organizadores do evento mais importante de tecnologia e informação da atualidade. GDF aposta alto no Parque Tecnológico de Brasília

Já de volta a Brasília, comitiva que foi a Portugal para negociar a realização do maior evento de tecnologia do mundo em 2023, o Web Summit, já se prepara para receber os organizadores da conferência que chegam ao Distrito Federal na próxima sexta-feira, dia 19 de novembro.

O CEO e cofundador da Web Summit, Paddy Cosgrave, declara-se admirador de Oscar Niemeyer e do projeto urbanístico de Lúcio Costa, estudados nas aulas de geografia. Paddy disse, durante o evento realizado no início do mês, que está curioso para conhecer a capital e sentir “a vibração e o calor humano” do brasiliense. Para isso, ele desembarca na cidade com sua comitiva nesta semana.

Aqui os organizadores do Web Summit terão a oportunidade de conhecer o Parque Tecnológico de Brasília (Biotic) e a vocação da capital, moderna e planejada para receber eventos desse porte. Além disso, poderão visualizar o hub aeroportuário que liga a cidade aos outros estados e países da América Latina, Europa e aos Estados Unidos.

Outro fator que favorece Brasília na disputa para sediar o evento pelos próximos cinco anos é o fato de que a capital é o primeiro ambiente de teste da tecnologia 5G no Brasil, que estará disponível em 2022.

A grande aposta do governo do Distrito Federal para fechar de vez o acordo com os organizadores do evento é o Biotic (Parque Tecnológico de Brasília) situado na Granja do Torto. O presidente do Biotic, Gustavo Dias Henrique, lembra que a iniciativa do governo em tirar do papel o projeto do parque já colhe resultados. Além do edifício de governança totalmente ocupado, a cidade tecnológica já conta com 40 investidores, entre startups, empresas e órgãos públicos de inovação.

Além destes o Sebrae Lab, a incubadora Fintech – voltada ao mercado financeiro – promovida pelo Banco de Brasília (BRB) e o fundo verde, baseado em políticas ambientais da indústria limpa, também já ocupam seus espaços na “cidade tecnológica”. “Estamos prontos, com um ambiente favorável para aportar novas empresas dispostas a crescer na nossa cidade”, resume Gustavo.

Durante o último dia de encontro da Web Summit, na quinta-feira (4), diretores executivos de grandes empresas apresentaram parte dos seus projetos no pavilhão do Parque das Nações, em Lisboa. Em comum, todos os planos demonstravam interesse por lugares que ofereçam oportunidade de desenvolvimento da indústria digital.

De acordo com o secretário de Economia, André Clemente, que acompanhou o governador Ibaneis Rocha na viagem a Portugal, Brasília dobrou, em quase três anos, a quantidade de fibra ótica, passando de 2,5 mil km para 5 mil km. Isso reforça o suporte do sistema operacional de internet da cidade. “Tecnologia traz mais transparência, competitividade e, consequentemente, mais resultados, tanto na iniciativa privada quanto no serviço público”, observa o secretário.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Gilvan Máximo, que também participou da conferência, ressalta que o governo do DF tem estimulado o desenvolvimento da indústria tecnológica. “Estamos investindo em uma visão de futuro para que novas gerações possam usufruir desse trabalho”, destaca.

O que Biotic

O Parque Tecnológico de Brasília – Biotic foi instituído pela Lei Complementar nº 923/2017, que alterou a Lei Complementar nº 679/2002, incluindo a biotecnologia como um dos setores da tecnologia a serem desenvolvidos e apoiados pelo Parque, mantendo a área como zona urbana de uso controlado, de 121,5409 hectares, localizada entre a DF-003, o Parque Nacional e a Granja do Torto.

Com foco na inovação em Biotecnologia e Tecnologia da Informação e Comunicação, o Biotic é o principal polo de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do Distrito Federal. O projeto viabiliza a instalação de diversas empresas, além de instituições de pesquisa e centros de inovação.

Atualmente, na região, há um edifício de governança com várias empresas, startups e associações, os datacenters do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal e uma unidade do SebraeLab. Porém, a intenção do governo é implementar projeto de ocupação baseado no conceito de morar, viver e trabalhar no mesmo lugar, com um corredor ecológico, com sustentabilidade e economicamente correto.