terça-feira, junho 25, 2024
Desta semanaEconomia

GDF Saúde terá primeiro reajuste de mensalidades

FOTO: tirachardz/freepik

Desde sua criação, em 2020, o plano de saúde dos servidores do DF não teve alteração nos valores pagos pelos beneficiários

No final do mês de outubro, o plano de saúde dos servidores do Governo do Distrito Federal (GDF) completará três anos de existência e mais de 85 mil beneficiários. Desde sua implementação as mensalidades do GDF Saúde, tanto para servidores quanto para dependentes, não sofreram alterações. 

Mas, nesta terça-feira (15), o governo anunciou que será necessário reajustar os valores por conta da inflação registrada nos últimos três anos e para manter o equilíbrio financeiro do GDF Saúde. De acordo com o Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Distrito Federal (Inas) o reajuste será de cerca de 20% e valerá a partir de 1º de setembro.

Com o reajuste, o titular, que atualmente paga R$400, passará a pagar R$490. Quem paga R$1 mil, pagará R$1.190. A alteração dos valores também incidirá sobre a mensalidade dos dependentes, que variam entre R$ 230 e R$ 490, de acordo com a faixa etária.

“Esses valores ainda são inferiores aos praticados nos planos privados, mantendo-se vantajosos tanto para os beneficiários mais jovens quanto para os mais idosos”, pontua o diretor de Finanças do Inas, Luciano de Barros.

Previsto em lei

A correção das mensalidades do plano de saúde dos servidores do GDF está prevista na lei que criou o benefício (lei nº 3.831/06) e também na lei que rege os reajustes da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). De acordo com os normativos, está previsto o reajuste anual do serviço.

Segundo o INAS, o plano de saúde dos servidores conta, além da participação dos favorecidos, com o suporte de recursos oriundos do governo. “Para manter o plano ativo, além da participação dos beneficiários, o GDF arca com quase a metade de toda a despesa; no entanto, os custos mensais estão aumentando a cada dia” explica a diretora-presidente do instituto, Ana Paula Cardoso.

A base para definição do percentual de reajuste foi obtida depois de estudo recente realizado pelo GDF Saúde. Segundo o Inas, há uma projeção de déficits financeiros crescentes para os exercícios de 2023, 2024 e 2025, caso não haja alteração em seu custeio. Hoje, as despesas totais do plano estão em torno de R$ 70 milhões por mês. 

Base de cálculo

O Inas explica que o reajuste das mensalidades do plano de saúde do GDF será feito com base no aumento dos preços identificado nos últimos três anos. Entre outubro de 2020 e julho de 2023, o IPCA subiu 23,67%, e o IGP-M, 26,80%.  No mesmo período, a ANS autorizou reajustes da ordem de 25,71%. Considerando os custos do mercado de saúde, apenas entre 2020 e 2022, houve um aumento no custo médico hospitalar de cerca de 38,38%, bem acima dos outros índices de preços.

Fonte tabela: INAS