terça-feira, junho 25, 2024
Desta semanaSaúde

Hipertensão arterial é a principal causa do AVC

Foto: Iaros/Freepik

Condição é responsável por 80% dos casos de AVC hemorrágico

O próximo dia 26 de abril é marcado pelo Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, com cenário que traz alerta para a atenção à questão: segundo o Ministério da Saúde, o problema causa o óbito de cerca de 388 brasileiros por dia. 

Tida como o principal fator de risco para o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e um dos principais fatores de risco para outras doenças cardiovasculares, como o infarto do coração, a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), mais conhecida como “pressão alta”, quando não controlada leva a complicações graves que, na maioria das vezes, são o primeiro sintoma. 

“A hipertensão arterial é responsável por 80% dos casos de AVC hemorrágico, por causar pequenas lesões nas artérias do cérebro que ficam frágeis e podem romper. Assim como o efeito da pressão alta por muitos anos pode causar também o AVC isquêmico, com oclusão de uma artéria cerebral devido ao estreitamento direto dos pequenos vasos cerebrais, ou predispor a aterosclerose, que é o depósito de gordura nas paredes dos vasos sanguíneos ou até mesmo predispor à fibrilação atrial por seu efeito no coração, que é uma arritmia cardíaca, e por este batimento descompassado do coração se formam coágulos que viajam pela circulação indo até o cérebro, causando um AVC isquêmico”, fala a presidente da Rede Brasil AVC e da Organização Mundial de AVC (World Stroke Organization), Sheila Cristina Ouriques Martins.

O AVC isquêmico ocorre quando falta sangue em alguma área do cérebro e corresponde entre 80% e 85% dos casos. Já o hemorrágico, acontece quando um vaso (uma artéria) rompe.

Sintomas

Muitas pessoas com pressão arterial elevada não apresentam sintomas e, na maioria das vezes, o primeiro sinal é um AVC ou um infarto do coração. Alguns sintomas podem aparecer quando a pressão está bastante elevada, como dores de cabeça, tonturas, visão turva, palpitações cardíacas, náusea e vômito.

A especialista explica que valores acima de 14 por 9 são preocupantes, uma vez que, a longo prazo, podem levar a lesões, aumentando o risco de AVC e outras doenças. Nestes casos, é necessário tratamento contínuo com medicação anti-hipertensiva para manter a pressão controlada, prevenindo o AVC. “Já valores acima de 18 por 11 requerem controle imediato”, alerta a médica.