quinta-feira, abril 18, 2024
Desta semanaPolítica

Urnas revelam surpresas eleitorais no DF

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Vitória em primeiro turno, virada de votos, e novatos marcaram o pleito de 2022 na capital federal

Contrariando expectativas de muitos, os eleitores do Distrito Federal surpreenderam quando registraram suas escolhas nas urnas. O clima de “já ganhou”, que rondava muitas candidaturas, foi logo se transformando em inquietude e apreensão que terminou às 20h35 do domingo (2) com a apuração de 100% das urnas, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

As pesquisas divulgadas nos últimos dias apontavam cenários bem diferentes dos resultados obtidos neste último domingo. Nos bastidores, mesmo com todo empenho para a reeleição de Ibaneis Rocha (MDB) em primeiro turno, já se cogitava a continuação da campanha para segundo turno, o que não aconteceu. 50,30% dos brasilienses escolheram Ibaneis para continuar a gestão da capital do país por mais quatro anos. 

“Não esperava que fosse no primeiro turno. Achava que teríamos um segundo turno, e tenho que dizer que estarei trabalhando muito por essa cidade”, disse o governador reeleito.

Outra grande surpresa foi a escolha da ex-ministra do presidente Jair Bolsonaro (PL), Damares Alves (Republicanos), para ocupar a única vaga do DF no Senado. Flávia Arruda (PL) liderou a corrida eleitoral durante boa parte do tempo, mas nas últimas semanas Damares foi ganhando apoiadores que a elegeram com 44,98% dos votos válidos.

“Obrigada povo querido do Distrito Federal! Agradeço aos 714 mil eleitores que acreditaram junto comigo que chegou a hora da mudança!”, postou a nova senadora do DF em suas redes sociais.

Câmara Legislativa

O resultado das eleições para o poder Legislativo local mostrou que os brasilienses querem mudanças na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). Das 24 vagas do parlamento, 12 serão ocupadas por novatos eleitos no último domingo (2). 

Dos que permanecem na Casa, Fábio Félix (PSOL) foi o campeão de votos com 51.792 votos. O número é o maior de toda a história de votação para distrital, superando o número alcançado por Luis Estevão na eleição de 1994.

A partir de 2023, a CLDF será composta pelos seguintes deputados distritais: Fábio Félix (PSOL); Chico Vigilante (PT); Max Maciel (PSOL); Daniel Donizet (PL); Martins Machado (Republicanos); Robério Negreiros (PSD); Jorge Vianna (PSD); Jaqueline Silva (Agir); Thiago Manzoni (PL); Eduardo Pedrosa (União Brasil); Joaquim Roriz Neto (PL), Iolando (MDB); Pastor Daniel de Castro (PP); Hermeto (MDB); Roosevelt Vilela (PL); Doutora Jane (Agir); Rogério Morro da Cruz (PMN); Gabriel Magno (PT); João Cardoso (Avante); Paula Belmonte (Cidadania); Ricardo Vale (PT); Wellington Luiz (MDB); Pepa (PP); Dayse Amarilio (PSB).

Câmara dos Deputados

A bancada do DF na Câmara Federal terá a recondução de três parlamentares e cinco novatos, entre eles Alberto Fraga (PL), que volta à Casa depois de quatro anos. 

Uma das maiores apoiadoras do governo Bolsonaro na Câmara, Bia Kicis (PL) foi reeleita com 214.733 votos. Além dela, Erika Kokay (PT) e Julio César Ribeiro (Republicanos) também continuam em suas cadeiras no Legislativo federal.

Entre os estreantes estão: o jornalista Fred Linhares (Republicanos); o ex-presidente da CLDF, Rafael Prudente (MDB); o ex-deputado distrital, Reginaldo Veras (PL) e o ex-secretário de Ciência e Tecnologia de Ibaneis Rocha, Gilvan Máximo (Republicanos).