terça-feira, junho 25, 2024
Desta semanaSaúde

Vacinação contra HPV ampliada para públicos específicos  

Foto: Tony Winston/Agência Saúde

Indivíduos que fazem parte do grupo de imunobiológicos especiais já podem procurar os postos de vacinação específicos

Dados do Instituto Butantan apontam que cerca de 20% dos cânceres humanos são causados por vírus – e destes, 50% são provocados pelo papilomavírus humano (HPV, na sigla em inglês). Existem mais de 150 tipos conhecidos desse vírus, sendo a maioria inofensiva.

Porém, dois tipos do vírus, o 16 e 18, estão diretamente envolvidos em quase 100% dos casos de câncer de colo de útero, mas também podem levar a outros tipos de câncer, como anal, de vulva, de vagina, de pênis e de orofaringe.

A estimativa é que no Brasil haja entre 9 e 10 milhões de pessoas infectadas pelo HPV e que surjam 700 mil novos casos de infecção por ano. Estudos indicam que cerca de 80% da população sexualmente ativa deve ser infectada pelo vírus em algum momento de sua vida.

Por isso, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) já inclui a vacina contra o HPV no calendário de imunizações do país. E no Distrito Federal essa recomendação é seguida pela Secretaria de Saúde (SES) que oferece gratuitamente o imunizante para crianças e pré-adolescentes de 9 a 14 anos que devem tomar a vacina em duas doses com intervalo recomendado de seis meses entre a primeira e a segunda administração da vacina.

Mas agora a vacinação contra o HPV foi ampliada para grupos de pacientes em condições clínicas especiais. Homens e mulheres de 9 a 45 anos que possuem o HIV/Aids, indivíduos transplantados de órgãos ou medula óssea, pacientes oncológicos ou imunossuprimidos também devem procurar as salas de vacinação.

Nesses casos específicos, é necessária a prescrição médica para a aplicação da vacina na rede pública. O esquema vacinal para estes públicos será de três doses, e o intervalo mínimo entre a primeira e a segunda é de 30 dias. Já entre a segunda e a terceira dose, é de 90 dias. A SES destaca que o imunizante é contraindicado para gestantes e alérgicos aos componentes da vacina.

Onde se vacinar

Crianças e adolescentes entre 9 e 14 anos devem procurar os postos de vacinação em qualquer unidade básica de saúde (UBS) do DF. Já os grupos específicos serão imunizados nas unidades do Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais (Crie), distribuídas entre Hospital Regional da Asa Norte (Hran), Hospital Regional da Ceilândia (HRC), Hospital Regional do Gama (HRG), Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib), Hospital Regional de Planaltina (HRP) e Hospital Regional de Taguatinga (HRT).

Sintomas e prevenção

É importante esclarecer que a principal característica do câncer causado por HPV é que ele demora muitos anos para se desenvolver e depende de uma infecção viral persistente.

Estudos apontam que as primeiras manifestações surgem entre, aproximadamente, 2 a 8 meses, mas pode demorar até 20 anos para aparecer algum sinal da infecção que, na maioria dos casos, é assintomática.

A doença pode causar lesões genitais que costumam aparecer como verrugas irregulares, da cor da pele, dentro ou fora dos genitais de homens e mulheres – na vulva, vagina, colo do útero, região perianal, ânus, pênis (geralmente na glande), bolsa escrotal e região pubiana. Menos frequentemente, é possível aparecerem em áreas extragenitais, como conjuntivas, mucosa nasal, oral e laríngea. Podem doer, coçar, sangrar e causar desconforto. Às vezes, voltam depois do tratamento.

Para se prevenir é importante estar vacinado e fazer uso da camisinha. Além disso, para as mulheres, o exame preventivo de Papanicolau também é uma forma de prevenir lesões que causam o câncer de colo do útero.